o que não existe é tempo pra sofrer.

Ele arrumava meu cabelo de manhã, me levava para a escola, comia meu lanche no caminho e me buscava antes do almoço.  Os dias eram sempre os mesmos, chegando em casa meu avô estava lá esperando com o almoço pronto, “a louça é sua” os dois gritavam.

Eu sempre fui apaixonada por ele. Sempre foi meu orgulho, minha razão para seguir, em todos os momentos era nele que eu pensava. Era por ele que eu acordava cedo, deixava o toddy dele pronto, fazia pão na chapa e queimava o dedo. Ia para escola e ficava me gabando, afinal, eu tinha o amor mais lindo e verdadeiro do universo.

Pra ele meu amor, minha dor, meu sorriso e minhas lágrimas de crocodilo quando queria um favor. Tipo grana, e claro, era por isso que eu sempre lavava a louça. Afinal, uma mão lava a outra.

Passava a roupa dele com a maior delicadeza de quem quer acabar logo e brincar no quintal, com a inchada do avô fingindo ser da roça. 

Uma vez derrubei ele da laje, ele pediu uma coisa, eu joguei e o idiota pulou para frente e caiu. Eu ri, corri e acabei presa por 3h dentro do banheiro, se não fosse a vontade do meu avô de fazer xixi, podia estar lá até hoje.

Engraçado como o amor transforma a gente, até meus 5 anos eu era palmeirense, depois ele me convenceu e até hoje sou corinthiana roxa!

Eu sempre fui completamente apaixonada pelo meu irmão, e que se dane se ele fez um monte de merda na vida, que se dane mesmo. Todo mundo erra, todo mundo faz merda, mas não deixam de ser felizes. E ele sempre foi, do modo dele, no tempo dele e da forma que ele escolheu ser. 

Que se dane se as pessoas falam dele, só eu sei o que foi me desfazer de algo tão bom. Eu tenho a impressão que as pessoas não conheciam meu irmão como eu, dentro de casa, com suas dores, com seus olhares distantes, sofrendo por amor, sofrendo por não ter tido um filho ainda, por ter perdido meu avô e por fazer parte de um mundo todo quadrado.

Ele sempre escondeu de mim que usava substâncias não aprovadas pela sociedade “moderna antiquada”, mas eu sabia, sempre soube e nunca julguei meu irmão por isso. Eu sacava o olhar distante e o medo de viver do modo convencional que ele tinha. E por mais que as pessoas não acreditem meu irmão era puro de alma e de coração, não há uma pessoa que eu conheça que não goste dele e do que ele representou no mundo.

Adorador de criança, fofoqueiro nato, colocava apelido ruim até em cachorro, vivia intensamente e não atrapalhava a vida de ninguém, e o melhor, era feliz! Tinha o mundo em suas mãos.

No dia que ele se foi senti uma solidão imensa, era como se tivessem tirado meu ar. Fui tomada por um amor que enfim consegui sentir. Eu era de novo aquela menina de 7 anos pendurada no pescoço dele pedindo para sair com ele e dar uma volta no bairro. Eu era de novo a irmã mais nova que entrou na faculdade, escreveu um texto para o diário oficial do município e depois de entregar o impresso em suas mãos todo o bairro soube que eu era finalmente uma jornalista com algo registrado.

No dia que ele resolveu ir embora, eu pensei “o filho da puta fodeu a minha vida, como será agora?”, eu estudei 4 anos para trabalhar e viver pra ele, pra cuidar dele, o plano era esse e ele não entendeu. 

Depois de um tempo consegui escrever e entender o que houve, mas pra mim não importa, a maior herança deixada pelo meu irmão foi sua felicidade e o modo livre que ele vivia. Foi sua coragem de viver sem pensar no que as pessoas falavam, sem se privar de ser o que era, sem medo. Ele foi um laço amarrado no coração, que ainda está lá, bem mais apertado que antes, bem mais firme.

O meu irmão, meus caros, sempre foi e sempre será o grande amor da minha vida. Eu sinto tanta falta dele, mas agora entendo…

É a vida, meus caros…

Devidamente sem título!

Por Fernando Mello

 

Pior do que se sentir perdida é perder-se em si mesmo. No emaranhado do que você acredita misturado ao que você é ou era. O que você acredita, apostando corrida com o que você mais detesta. O que você tem, jogando palitinhos com o que você quer. Seu amor e suas dores na linha de chegada e o coração de juiz em dia de clássico.

Eu não sei se você entende o raciocínio de quem não tem raciocinado ultimamente ou se entende o porquê de certas coisas que não se explicam.

Quando a cabeça não pensa o corpo padece. Mas quando a cabeça pensa demais será que nossa alma enriquece?

Você cheio de indagações e de táticas que não fazem o menor sentido. (pelo menos para você ou pelo menos naquele momento).

Suas certezas mudam, suas prioridades deixam de ser prioridades já que você nem sabe mais o que deseja. Até sabe, mas está tão longe e você tão cansado que o mais fácil é deixar que as prioridades te encontrem e você pode fugir do que não interessa. Seus princípios enfraquecidos te cobram uma atitude e você cobra a coragem.

Seus olhos pesam e seu coração já bate fraco. De tanto que bateu a vida inteira. De tanto chorar amor e fracassos. De tanto chorar pelo leite derramado você decide que se entender é complicado demais. O quente queima e o frio é gelado demais, vai o morno mesmo que não causa sensação alguma e no momento você não tem sequer condições de sentir algo. Sentir dá trabalho e trabalho acarreta uma série de responsabilidades. Responsabilidade é chato demais e não aquece seus pés nos dias frios.

Você enfim, opta por decidir somente pelo necessário. Pelo que realmente vai fazer alguma diferença em sua vida e desiste de tentar equilibrar-se, isso é para artista circense e você nem gosta tanto de circo. Melhor deixar assim.

Uma porta de saída e uma de entrada. O que vale fica e o que não vale que valesse. Nada de culpa ou de noites mal dormidas, nada de coração na boca em de frio na barriga.

Certas coisas não se explicam. Não existem palavras que as descrevam ou soluções que as resolva . Sentimentos, gestos, sonhos e sorrisos. A alma entende e a boca cala.

O meu amor por você…

Talvez hoje essa frase pareça um clichê, talvez pareça, mas só enquanto eu respirar eu vou me lembrar de você, só…

Mas hoje só quero falar o que sei e tudo que senti até hoje, tudo que o mundo me deu nessas últimas semanas…

Perdi a coisa mais valiosa da minha vida, a pessoa que me ensinou que, sim, na vida temos que caminhar com a liberdade que desejarmos, a pessoa que me fazia rir e que brigava comigo…

O irmão que todo mundo queria ter, o corinthiano mais apaixonado que já existiu, a pessoa que tinha a palavra certa nas horas mais terríveis…

Ele era uma criança inocente, um adolescente qualquer sem sonhos só vontades próprias de quem espera o dia amanhecer e vive intensamente, era o personagem no meio dos amigos, o cara mais gentil e apaixonado pela vida, o galanteador das mulheres feias, o adorador de pessoas…

Não houve um só dia nessa vida que ele não sorriu, que ele não falou que me amava, que ele me deu bronca por algo que fiz de errado…

Minhas escolhas eram feitas com ele, a minha vida era dele, afinal, irmão mais velho obedece quem tem juízo, não é?

Tivemos o avô mais lindo e mais amoroso de todos, e agora se é que isso existe de verdade eles estão juntos…

A real é que não me conformei ainda, não acredito e não vou acreditar nunca, não acho justo…

Mas hoje a saudade tá aqui comigo e como doi perder um pedaço da vida, como é ruim tentar esquecer e viver sem…

Vou me lembrar de tudo, das risadas, do ciúme, da sua vida que era sempre inventada na hora, dos apelidos, da sua cara de criança quando queria pedir alguma coisa, do seu sorriso e da sua história…

Obrigada por existir na minha vida e não tem graça nenhuma você ter ido embora assim…

Te amo…e como é grande o meu amor por você!

Me fez pensar…

Domingo, 6, estava eu lendo o capítulo de número 65 do livro do Lobão – 50 anos a mil. De repente me pus a chorar…
Mas chorar demasiadamente, como fiz em outros capítulos do mesmo livro, mas esse em especial mexeu comigo…
Acho que depois deste capítulo a minha cabeça mudou um pouco e comecei a me deparar com uma saudade que nunca tinha reparado que sempre tive, a saudade de um homem, que diferente do autor Lobão, que eu não conheci, o meu pai…
Mas senti uma saudade profunda e doida. Senti que com ele muitas coisas teriam e seriam diferentes e na hora da dor como agora eu teria alguém para ligar e compartilhar a tristeza. A dor de estar tão sozinha sempre como acho que ele também foi…
Não sei nada dele, nada…Não sei se gostava de café, como eu gosto, não sei se assistia filmes bons, como eu um dia vou aprender a assistir…
Se ele estivesse aqui me ajudaria a entender, por que as coisas são tão difíceis as vezes. Eu iria sentir o cheiro dele e ele o meu. Sairíamos juntos para entender a cidade…
E hoje eu não estaria sentindo esse vazio, essa solidão, mas e se ela não gostasse de mim?
Pena não poder me despedir dele…
“fiz dele razão pra se perder, no abismo que é pensar e sentir…” – Los Hermanos

Certa vez…

Certa vez um “grande” amigo me ingadou: Quantos tempos existem mesmo?

Vamos lá vou tentar responder.

O que é realmente o tempo? Bom, em muitas visões o tempo nada mais é que uma busca desenfreada contra o dia-a-dia, contra o corre corre de uma grande cidade. Para outros o tempo foi criado para a organização geral do planeta, sem ele nada seria controlado e a desordem cairia sobre nossas cabeças.

Quantos tempos existem de fato, eu não saberia responder, acredito que ele sirva para controlar a humanidade, sim, pois enquanto uns dormem outros assistem TV do outro lado. Parece loucura? Pois é, mas não é o homem de hoje é monitorado 24h por dia sim, pelo seu celular novo, pela internet que é onde ele posta sua vida que todos podem ver, na mídia, na TV (reality shows), etc.

Você é influenciado? Você gosta de tal modernidade que nos rodeia? Admita sim.Claro que você é influenciado na TV que vc assisti, na roupa que você veste, no celular novo que você acabou de comprar, a vida te influencia. Eu sei!

Ahh e claro que você gosta dessa modernidade aconchegante dos dias de hoje, o que seria dessa pobre menina aqui sem um celular e um e-mail? Acho que nada, mas um dia eu aprendo.

Bom, voltando a pergunta do meu amigo, acho que existem sim vários tempos modernos ou não. Existem os tempos que já se passaram, mas que fazem falta, existe o tempo que você leva do trabalho para casa, o tempo de aula, o tempo com sua família, com seu namorado, o tempo de uma prova, o tempo onde as histórias se escondem e são lembradas.

Existe ainda um tempo de piscar de olhos que pode passar sem você perceber ou aquele que você espera tanto para acontecer que quando acontece passa tão rápido que você fica PUTA (com o perdão da palavra).

Ahh, ele me fez outra pergunta um dia desses: “Podemos dominar de fato o mundo com tecnologia?”

Ahh, ele me fez outra pergunta um dia desses: “Podemos dominar de fato o mundo com tecnologia?”

Sim, podemos e isso irá acontecer daqui uns anos, novas mídias, novos olhares para a comunicação, o tempo será bem mais curto e passará bem mais depressa. Mas dominar não seria muito bem a palavra, mas movimentar o mundo melhor, as pessoas estarão bem mais interligadas entre si.

Espero honestamente que as pessoas comecem a entender o poder da sustentabilidade na comunicação. É de extrema importância conhecer e aprender como difundir valores e pensamentos sustentáveis para o futuro, pois se apenas as grandes tecnologias crescerem o mundo não cresce. O meio ambiente é a base de toda a humanidade e isso muito ainda precisam aprender.

respondi?

 

Desculpe amigo, mas a vida é curta demais…

A amizade é um troço engraçado, né?

Quando menos se espera você está lá toda vulnerável a críticas, brigas e até a ouvir asneiras…
Aconteceu comigo, mas confesso que deixei que isso acontecesse.
Enfim, pensar eternamente que alguém que passa com você quase que a maior parte do tempo da sua vida, pode não te decepcionar é bobagem, ele pode e vai te decepcionar quando você menos esperar.
Que fase amigos, bem na semana do dia do amigo!
Mas vale a dica amigos, existe coisas que não precisam ser ditas, NUNCA! As palavras machucam mais que uma surra de vara de marmelo!
Nossa, decepcionada master mesmo, com palavras, atitudes, descobertas, enfim…
Meu único problema agora é deixar de lado e tentar esquecer, tô tentando, mas é duro, ainda dói um pouco. Fico pensando como será quando a amizade retornar. Já perdi um grande amigo em outros tempos, ele sem dúvida me esqueceu, mas tudo bem, a amizade só vale a pena quando se gosta e se assume isso.
Pessoas dependentes não entendem e nos chamam de prepotentes, né?
@FrasesDoCalvin: A vida é curta demais pra eu tentar agradar cada idiota que pensa que sabe como eu deveria agir.
Bom, é isso!