Agradecendo e convidando…

Enfim, acabou, certo? Quase certo, ainda não acabou tem a banca…

Muitos agradecimentos não entraram no relatório técnico por falta de espaço e tempo, pois é…

Então, este texto será um convite para o dia da banca examinadora e um agradecimento para todos aqueles que fizeram parte das grandes experiências vividas durante 4 anos de aprendizado na faculdade.

“É preciso força pra sonhar e perceber

Que a estrada vai além do que se vê…” – Los Hermanos

_________________________________________________________

Convite:

Então pessoal, no dia 12 de dezembro, às 19h, ocorre a tão esperada banca examinadora do meu tcc. E para quem não sabe o tema dele é “Billings: Moradias Irregulares”. Quero todos lá, afinal, preciso de gente para “ocupar” a UNISA, caso a nota não seja do nosso agrado…rs

Acho que vale a pena pelo vídeo, modéstia a parte ele está bem legal e profissional, portanto, quero todos lá para prestigiar!

___________________________________________________________

Os agradecimentos, finalmente:

Quatro pessoas que se foram, mas pessoas que estiveram comigo o tempo todo, me ajudaram, me motivaram e não me deixaram desistir. Pois é, meu avô Américo pessoa que me transformou no que sou hoje, me ensinou tudo que sei , minha madrinha Lourdes que me motivou e me fez acreditar em mim, sempre. E meu irmão Marcel que foi aquele que devo tudo que sou, tudo que aprendi e que lutei, foi com ele que vivi os melhores anos da minha vida, foi ele que me ensinou a amar em qualquer circunstância, a sorrir sempre e não desanimar nos piores momentos, foi com ele que estava quando perdemos nosso avô, foi ele que cuidou de mim e brigou comigo. Ah, e ao pai que não conheci, aquele que não sei nada, nada…Não sei se gostava de café, como eu gosto, não sei se assistia filmes bons, como eu um dia vou aprender a assistir…Se ele estivesse aqui me ajudaria a entender, por que as coisas são tão difíceis as vezes. Sairíamos juntos para entender a cidade…

Bom, quero agradecer a família, claro, minha mãe, minha tia Beth, minha avó Maria Elisa (em memória), meu padrinho e toda a sua família pelo apoio de sempre, Gabriel, tio Laércio, Tia Nini, Tio Marcel (em memória), primas e primos, irmãos de alma e todos que estiveram sempre comigo.

Amigos, claro os amigos, as pessoas que no vai e vem de amizades sempre estiveram aqui mesmo longe. A Carol por ser minha amiga e companheira de aventuras, pelo carinho, conselhos e representar muita coisa que sou hoje, foi com ela que aprendi milhões de coisas, foi com ela que aprendi a lutar e a brigar. Ao Lucas que virou irmão, companheiro, amigo de copo, irmão de alma e que mesmo com os desentendimentos sempre me apoiou em tudo e me deixou ser um pouco da família. Aos amigos Annibal Lima, Danilo Bueno, Karina Canuto, Michelle Santos, Erika Bismarchi, Thiago Souza, Gabriela Reis, Francisco, Camila Moreti, Maria Letícia, Nelton, Alessandro Correa, Karin Almeida, Kelly Almeida, Ana Paula Christe, Danilo Pimenta, Bia Pimenta, Luciene Pimenta, Pedro Henrique, Nino Cardoso, Edina Ribeiro, Aline Bezerra e afins. Amigos que aprendi a gostar, que sempre me deram força e estiveram aqui para tudo, e isso eu reconhecerei sempre, pois estiveram comigo no pior momento este ano. Ahh, Alline Juscelino e Mariana Bernun as companheiras de 4 anos intensos e cheio de aventuras, pois sem elas eu nem sei como seria.

Professores fundamentais: Zeca Soares (que sumiu…rs), Carlos Dias, Édson Correia, Elisabeth Fantauzzi, Marcelo Caldeira, Márcio Rodrigo e, obviamente, Anderson Gurgel que foi uma pessoa que me ajudou demais, quantas conversas, quantos conselhos, quantas broncas, obrigada.

Agradeço ao pessoal do ImaRgem pela simpatia e ajuda, D. América, Gorete, Andréa Vialli, Odete e todos os entrevistados que ajudaram e me fizeram aprender e entender uma porção de coisas dessa cidade.

Não posso esquecer dos amigos mais técnicos como Leandro Caetano, Leo Malagoli, Felipe Spina, Vinicius Martuscelli, Rodrigo Martins e Walter Tesch, que me ajudaram a pensar, acreditar em um mundo diferente e a brigar por milhões de coisas, mas admito que sou mais consciente que eles…rs.

Um agradecimento mais que especial a Mônica Ribeiro, sempre chefe, conselheira e amiga. Pessoa de extrema importância em toda jornada rumo ao tcc e ao diploma. Me ensinou tudo que sei hoje e esteve comigo de coração no pior momento da minha vida. Obrigada por tudo, pelos conselhos, livros, cervejas, boazinhas, palavras de carinho e, acima de tudo, pela amizade verdade de sempre.

A chefe Rose Marie Inojosa, que me fez aprender milhões de coisas novas na UMAPAZ, me deu folga para as gravações, me aguenta e me da liberdade para mostrar meu trabalho. Obrigada mesmo.

Ao Eduardo Jorge, meu carinho, respeito e toda a minha admiração. Pessoas como ele são difíceis de se encontrar. Quanta coisa aprendi com ele, nossa…

Peço desculpas se esqueci alguém, são tantas emoções que posso ter deixado escapar…rs

Abraços saudosos!

p.s. e de novo a frase que marcou o processo:

‎”os caras falam de violência, mas pra mim é um pacote: o desemprego é uma violência, falta de perspectiva é uma violência. A falta de áreas de lazer para os jovens é uma violência. A fome é a maior de todas as violências.” Ivan Cariri – Projeto Morro da Macumba

coisas do processo.

Aprendizado, pessoas novas, idéias sonhadas, pensamentos abstratos, amigos novos, café filosófico repentino, medo, tensão, vida nova, descobertas, cheiros estranhos, direitos humanos, miséria, realidade discutível, simpatia sincera, fome de comida, paisagens inesperadas, 2 faltas no trabalho, compreensão e afins…

Aprendi que tenho que sair mais da frente do meu computador e procurar os processos criativos para ajudar…

Obrigada Agentes Marginais do ImaRgem, Gorete, D. América, Vico, Spina, Maristela, Criolo e um monte de gente que ainda está por vir…
É, por ainda não acabou, mas já está valendo a pena…

Frase que marcou o processo:

‎”os caras falam de violência, mas pra mim é um pacote: o desemprego é uma violência, falta de perspectiva é uma violência. A falta de áreas de lazer para os jovens é uma violência. A fome é a maior de todas as violências.” Ivan Cariri – Projeto Morro da Macumba

Por Mariana Belmont

por Mariana Bernun