desafiador…

Entrei na onda do Bruno Medina, ex-Los hermanos e tô seguindo seus desafios por ai…

Até agora consegui completar os três, mas cada vez fica mais difícil…

O que é a felicidade pra você? Você tem fotos de bons momentos? Como você faz para levar a felicidade para outras pessoas?

Quantas perguntas engraçadas e tão vazias, talvez…

Vejam como completei os desafios, e se você estiver curioso para saber do que estou falando e quiser participar… Dá uma olhada no blog do Medina: http://co-labora.org

1° desafio: Enviar uma foto de um momento feliz!

2° desafio: De maneira simples, clara e objetiva, descreva o seu passo a passo de como encontrar a felicidade.

… e a enviada pela Mariana Belmont:

E quando se perde alguém, pode tentar ser feliz:
1. chore todo dia, mas lembre-se que a pessoa que se foi era a mais alegre e sorridente dessa vida.
2. tenha os melhores amigos da vida ao seu lado na hora que a dor aparecer.
3. viva cada momento e pense cada momento naquele que te fez sorrir a vida toda.
4. dedique cada música, cada abraço, cada lágrima, cada suspiro, cada olhar, cada queda e cada vitória a pessoa que se foi, pq ela ficará orgulhosa.
5. seja feliz e aproveite cada espaço de tempo.
6. agradeça, se acreditar, por tudo e por todos…

3° desafio: crie um banner para encorajar a felicidade

Meu terceiro desafio para encorajar a felicidade: colar na  porta da minha sala o cartaz  do Entretodos Curtas e papel  com palavras de ordem…haha

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E mais desafios estão por vir, estarei aguardando ansiosa!

É isso, você acredita na felicidade e tem coragem de mostrar para as pessoas como lida com ela?

Então…

Morri!!


A foto, sim, foi roubada do blog do Bruno Medina.

A felicidade de assistir o show dos Los Hermanos no SWU ano passado, foi um troço que não dá para explicar…

Uma mistura de lágrimas, amor, alegria e verdade…

É, a estrada vai assim além do que se vê!

Do sétimo andar – Los Hermanos

Fiz aquele anúncio e ninguém viu.

Pus em quase todo lugar
a foto mais bonita que eu fiz,
você olhando pra mim.
Alto aqui do sétimo andar longe eu via você
e a luz desperdiçada de manhã no copo de café.
Deus sabe, o que eu quis foi te proteger
do perigo maior que é você. 
E eu sei que parece o que não se diz…
o seu caso é o tempo passar.
Quem fala é o doutor. 
Parece que foi ontem eu fiz aquele chá de habu
pra te curar da tosse e do chulé, pra te botar de pé.
E foi difícil ter que te levar àquele lugar…
Como é que hoje se diz? …você não quis ficar.
Os poucos que viram você aqui
disseram que mal você não faz.
E se eu numa esquina qualquer te vir
será que você vai fugir?
Se você for eu vou correr!
Se for eu vou…!